cieam@cieam.org.br

(92) 3627-3800

  1. Home
  2. Notícias
  3. Venda de computadores em declínio devido a problemas na cadeia logística
Notícias

Venda de computadores em declínio devido a problemas na cadeia logística

  • Postado em: 12/10/2021
Tweetar

Um dos mercados que beneficiou com as alterações provocadas pela pandemia, o dos computadores, está agora a sofrer o impacto da disrupção causada pela mesma. De acordo com o Dinheiro Vivo, embora a venda global destes equipamentos tenha subido entre Julho e Setembro de 2021, o crescimento do mercado foi atrapalhado pelos problemas ao longo de toda a cadeia logística.

Jitesh Ubrani, analista da IDC, refere que “a indústria dos PC continua a ter dificuldades causadas por desafios de fornecimento e logística e, infelizmente, estes problemas não tiveram grandes melhorias nos últimos meses”. Segundo a IDC, “o início da pandemia levou a um salto da procura ao mesmo tempo que contribuiu para a escassez de componentes e outros desafios logísticos”, contribuindo para o abrandamento das vendas.

As dificuldades de fluxo na cadeia logística levaram várias marcas a tomar decisões que estão a afectar os ritmos de vendas nos mercados, como explica o analista “dadas as actuais circunstâncias estamos a ver fabricantes que reordenaram as prioridades de remessas conforme os mercados, permitindo que os mercados emergentes mantenham o momento de crescimento enquanto outros mercados maduros começam a abrandar”. É este o cenário no mercado dos Estados Unidos, como indica Neha Majahan, também da IDC: “cadeias de fornecimento congestionadas e desafios logísticos contínuos levaram o mercado norte-americano ao primeiro declínio das remessas desde o início da pandemia”, acrescentando que, “depois de um ano de compras em aceleração impulsionadas pela mudança para trabalho e ensino remoto, há um abrandamento comparativo nos gastos em PC e isso causou um arrefecimento do mercado. A cadeia logística está claramente aquém da procura em segmentos-chave, com o inventário abaixo dos níveis normais”.

Fonte: Supply Chain Magazine