cieam@cieam.org.br

(92) 3627-3800

  1. Home
  2. Follow Up
  3. “Pouca coisa evoluiu na Amazônia em mercado de carbono”, diz Niro Higuchi
Follow Up

“Pouca coisa evoluiu na Amazônia em mercado de carbono”, diz Niro Higuchi

  • Postado em: 11/12/2020 10:39
Tweetar

Fonte: Brasil Amazônia Agora

O Brasil é o último reduto abundante na oferta de produtos florestais e serviços ambientais do planeta. Este potencial permanece deitado em berço esplêndido à espera de uma política robusta de quem queira abraçar a vocação do Manejo Florestal Sustentável-MFS da Amazônia e de REED(*). Trata-se de um formato, parodiando o Mestre Samuel Benchimol, teoricamente viável, ambientalmente sustentável, economicamente lucrativo e socialmente promissor. E quando se fala que esta modelagem de negócios é ambientalmente sustentável isso significa que conserva e, mais do que isso, robustece os parâmetros florestais. Quem diz isso é a ONU, certamente inspirada e baseada num dos mais respeitados pesquisadores em Ciências Florestais de seus quadros e do planeta: NiroHiguchi. Nessa entrevista, ele comenta os equívocos, anota oportunidades perdidas, prevê que o Brasil não vai cumprir compromissos do Acordo do Clima e sugere algumas pistas legais para que a evolução do desenvolvimento sustentável aconteça. Confira!

Alfredo Lopes
___________________

Follow Up – Está em debate no Congresso, um projeto que altera a Lei n.o 11.284, de 2 de março de 2006, para conferir maior celeridade ao processo licitatório, flexibilidade aos contratos e atratividade ao modelo de negócio das concessões florestais. Quais as vantagens e desvantagens desta iniciativa?

Niro Higuchi Eu vejo apenas como mais uma tentativa para fazer germinar uma semente que não germinou. Como a maioria das sementes das espécies florestais amazônicas são recalcitrantes (que perdem a viabilidade de germinar assim que consumir as suas próprias reservas, especialmente, de água), essa semente também não germinará. Se fosse uma semente ortodoxa (que resiste mais tempo) bem estudada e semeada num ambiente apropriado, a muda resultante seria, hoje (depois de 14 anos), uma quase árvore sadia. O PL que deu origem a essa Lei tinha como objetivos, combater: o desmatamento ilegal, exploração ilegal de madeira e grilagem de terras. Nessa ocasião, todos esses crimes já estavam contemplados em outras leis específicas. Não poderia dar certo.

Niro Higuchi é engenheiro florestal, pesquisador do Inpa/MCTI.

Na prática, depois de 14 anos, as concessões florestais colocaram à disposição do mercado de madeira, menos de 1% do que o mercado brasileiro consome, anualmente. Algum defensor das concessões poderia dizer: “é pouco, mas é tudo legal”. Nem isso é 100% verdadeiro já que uma das concessionárias foi apanhada na Operação Arquimedes (MPF e PF). Talvez, o mais importante a ressaltar é o fato que o combate aos crimes ambientais propostos, não produziu resultados. Em vez de uma mudança na Lei, o mais pedagógico seria fazer uma avaliação crítica desse modelo, do ponto de vista econômico (relação benefício e custo), pelo menos.

Fup – Existe uma pressão muito forte a partir da Europa em cima da política ambiental do Brasil. O que você destacar neste imbróglio diplomático em termos de visibilidade e prejuízo para a questão amazônica?

NIRO – A política ambiental do Brasil é boa; o problema está na interpretação dos resultados. O governo brasileiro, atual, está enfrentando dificuldades para lidar com essa pressão. As pressões (externas e internas) e as reações do governo são, na verdade, ineficazes. O Brasil continua produzindo cada vez mais (apesar da pandemia) e os outros países continuam consumindo; desmatamento, produção de madeira ilegal e grilagem, continuam inalterados. Sobre prejuízos, eu só posso falar do INPA. Os projetos de pesquisas financiados pela Alemanha estão em marcha lenta.

Fup – Você acredita no mercado de carbono como um dos negócios que podem ser regulamentados de imediato?

NIRO Com certeza. Isso deveria ter sido regulamentado em 2010. A Marubeni do Japão esteve no Acre em 2011 para um estudo de viabilidade de projetos REDD. O Acre contou com apoio do Funbio, do INPA e da Hdom. A Marubeni saiu com a certeza da viabilidade de projetos REDD (mais um milhão de hectares) no Acre prometendo retornar assim que a lei nacional fosse aprovada. A Mitsubishi esteve no Amazonas, na mesma ocasião. Eu não participei dessa missão e, por essa razão, eu não conheço o resultado.

Fup – Temos dois projetos no Congresso, onde Rebeca Garcia outro dia Eduardo Braga, regulamentando o REDD (Redução de Emissões pelo Desmatamento e Degradação). Na sua opinião, existe viabilidade para os dois projetos?

NIRO Só precisamos de um projeto aprovado. Ainda que atrasado, eu acredito que ainda é viável. Não há possibilidade de negociar carbono no mercado formal, sem uma lei nacional. O mercado livre se esforça e tenta seguir as regras da Convenção, mas não é a mesma coisa. Pouca coisa evoluiu na Amazônia no mercado de carbono.

Plantação de Castanha – Fazenda Aruanã
Fup – Você alertou em 2016 que o Brasil não cumpriria os compromissos nacionalmente determinados do Acordo de Paris, referente ao reflorestamento de 12 milhões de hectares. O que isso vai significar que em termos de redução do protagonismo ambiental do país, entre outros danos?

NIRO Que eu saiba, nenhuma semente foi coletada para a produção de mudas. Faltam menos de dez anos. Desde que o Brasil aprovou a lei de incentivos fiscais para reflorestamento em 1966; em 54 anos, a área plantada no Brasil (especialmente com Pinus e Eucalipto) está em torno de 8 milhões de hectares. Como já estamos quase em 2021, eu não acredito que o Brasil consiga plantar 12 milhões de hectares, nos próximos 9 anos. Este ano, o Brasil pode rever as metas. Minha sugestão é reduzir para 12 mil hectares. Uma ressalva importante: eu me refiro ao reflorestamento stricto sensu, ou seja, específico, aprofundado, rigoroso…

Fup – Coalizão Brasil Clima Floresta e Agricultura lançou recentemente um tudo sobre espécies florestais para reflorestamento. Em que o INPA pode colaborar para esta iniciativa?

NIRO Ótimo! Precisamos dar início ao processo de coleta de sementes; em seguida, produzir mudas e plantar. Como o reflorestamento stricto sensu tem que ser com espécies nativas, o desafio de reflorestar 12 mil hectares será muito grande. Tem que começar em janeiro de 2021 com muito dinheiro e pessoal. O INPA tem experimentos com plantios desde 1963. Ainda que seja proveniente de experimentos de pequena escala, as informações resultantes são importantes para orientar a escolha das espécies. O INPA também acumulou muita experiência em fisiologia e tecnologia de sementes florestais e produção de mudas.

(**)REDD+ é um incentivo desenvolvido no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) para recompensar financeiramente países em desenvolvimento por seus resultados de Redução de Emissões de gases de efeito estufa provenientes do Desmatamento e da Degradação florestal, considerando o papel da conservação de estoques de carbono florestal, manejo sustentável de florestas e aumento de estoques de carbono florestal (+).
Alfredo Lopes é escritor, filósofo, e editor-chefe do portal Brasil Amazônia Agora