cieam@cieam.org.br

(92) 3627-3800

  1. Home
  2. Follow Up
  3. “O desmatamento está destruindo a maior riqueza do Brasil, a biodiversidade” entrevista com Niro Higuchi - INPA
Follow Up

“O desmatamento está destruindo a maior riqueza do Brasil, a biodiversidade” entrevista com Niro Higuchi - INPA

  • Postado em: 17/11/2021 07:00
Tweetar

“Com seu raciocínio cirúrgico e rigor nos argumentos, Higuchi analisa os discretos avanços e muito desperdício de energia. E faz alguns alertas, demonstrando porque o Brasil não tem estratégias para enfrentamento da questão climática. Confira a entrevista, e entenda porque o cientista concorda com a ativista Greta: a COP 26 foi muito blá, blá-blá-blá!!!”

- Por Alfredo Lopes

Follow-up - A dramaticidade colocada pelos anfitriões da COP 26 teve, na sua opinião, efeito prático e factível para gestão da mudança climática?

Niro Higuchi - Se fosse a segunda COP depois da Convenção do Clima de 1992, ou seja, num intervalo entre COPs de 15 anos, a dramaticidade seria oportuna. Em COPs anuais, essa dramaticidade não consegue revelar o tamanho do perigo da mudança do clima ocorrida a partir de 1880. Neste caso, eu sou obrigado a fazer coro com Greta Thunberg.Muito blá blá e muitos recursos despendidos (em geral, do contribuinte), sem contar com mais emissões de gases de efeito estufa (GEE) para a atmosfera. Os “side events” em tempos de pandemia e de mudança do clima, são dispensáveis.

Figura 1 – Variação de temperaturas médias de superfície durante o período de 1880-2020 (NOAA)

A figura 1 mostra que há relação entre emissões de GEEse aumento de temperatura de superfície, mas com efeito retardado. Um exemplo disso é o fato que em 2020 houve uma diminuição de 5% de emissões, mas a temperatura foi a segunda maior desde 1880. Isso pode significar que as emissões de hoje podem impactar a temperatura por mais alguns anos pela frente. Esse comportamento pode transmitir uma sensação de impotência àqueles que promovem a redução de emissões. Isso pode não ser saudável já que o mundo precisa diminuir o consumo e, consequentemente, as emissões de GEEs.

FUp - Os acordos endossados pelo Brasil de reduzir 30% das emissões de metano até 2030 e desmatamento zero até 2050 são viáveis são vitais/essenciais para redução da temperatura da Terra?

N.H. - São viáveis hoje. Isso é vital para o Brasil, mas não para a redução da temperatura da Terra. O desmatamento está destruindo a principal riqueza do Brasil, que é a biodiversidade.

Figura 2 – Emissões globais de gases de efeito estufa (GEE) em % por setor – em 2016

A figura 2 ilustra o tamanho do problema com emissões de GEEs que o Brasil teria pela frente. Essas duas metas estão relacionadas com pecuária e desmatamento, que somados totalizam 8% das emissões globais, em queda; ainda sobrariam 92% das emissões que precisariam de solução. A tecnologia foi a principal responsável pelo desequilíbrio entre remoções e emissões de GEEs e eu tenho certeza de que a solução virá da tecnologia. O meu neto mais novo depois de formado, por exemplo, não deverá ser proprietário de um veículo automotor para a sua mobilidade; mesmo se for, o veículo não deverá ser movido por combustível fóssil. No setor de AFOLU (Agricultura, Floresta e Outros Usos da Terra), por exemplo, a utilização do papel está em baixa e a produtividade da agropecuária está em alta.


Greta Thunberg: Ativista criticou o acordo da COP26 — Foto: Jane Barlow/PA via AP

FUp - Com um país economicamente quebrado, vc acha que o Brasil avança em algum de seus compromissos? Quais são seus prognósticos?

N.H. - No Brasil, os três poderes da República estão sem estratégias para o cumprimento de acordos sobre o clima.Por justiça, isso não é um privilégio do Brasil em se tratando de mudança do clima global. As soluções para controlar as emissões brasileiras relacionadas com a agropecuária (desmatamento, inclusive) demandam pouco recursos. Com foco, desejo e tecnologia, a solução virá.Talvez, o grande dificultador seja o excesso de gente dando palpites sobre o tema; a ilusão do conhecimento é mais séria do que as fakes news. Até o papa Francisco resolveu dar palpites sobre a Amazônia. Chegamos em 2021 com a COP 26 preocupados com as emissões de GEEs, que não param de aumentar. Fui ao Web of Science(12/11/2021) para uma busca com “climate change” eencontrei mais de 325 mil artigos publicados; para “Amazon deforestation”, foram 3.517 artigos. E as emissões continuam aumentando. Até quando? Sem foco esem organização, as temperaturas tendem a aumentar até o início do próximo período glacial.


FUp - Para a Amazônia, transformada em vedete de importância indefinida, sobrou alguma esperança de alguma encrenca ser consertada? Por que o MFS não ganhou espaço de alternativa sustentável deexploração/proteção da floresta?

N. H. - A floresta remanescente na Amazônia ainda cobre uma área de mais de 300 milhões de hectares. A abundância sempre foi uma péssima referência para a gestão de recursos florestais. Assim foi no Japão no início do século XVII e na Suécia e na Alemanha no início do século XIX.Acabaram com as florestas nativas para depois praticarem o manejo florestal sustentável (MFS). Algumas civilizações, praticamente, desapareceram com o mau uso dos recursos florestais (os Rapanuis da Ilha de Páscoa, os Anasazis do Cânion Chaco do Novo México – EUA - e os maias de El Petén na Guatemala). Antecipar-se à escassez é preciso. Esses exemplos não podem ser negligenciados. No Brasil, há leis e algum conhecimento. A própria floresta é um bem de interesse comum a todos os brasileiros (Código Florestal) e a Amazônia é um patrimônio nacional (Constituição de 1988). Os discursos são maduros, mas as práticas estão verdes. O MFS na Amazônia é uma questão de foco e desejo de implementar.A minha intuição diz que ainda verei o MFS sendo implementado na Amazônia.


Figura 2 – Emissões globais de gases de efeito estufa (GEE) em % por setor - em 2016

(*) A Coluna Follow-up é publicada às quartas, quintas e sextas-feiras, no Jornal do Comércio, sob a responsabilidade do CIEAM e coordenação editorial do consultor da entidade e editor-geral do portal BrasilAmazoniaAgora, Alfredo Lopes

Niro Higuchi – Foto: ABC

Fonte: Brasil Amazônia Agora