Notícias


Dominar a língua japonesa diferencia profissionais em empresas do PIM

Notícia publicada pelo Jornal Em Tempo

A procura pela qualificação para garantir uma vaga de emprego no mercado de trabalho tem feito com que pessoas busquem novas oportunidades e domínio de idiomas pouco procurados pela massa. Aprender um novo idioma pode ser um diferencial a mais durante uma entrevista de emprego.

No Amazonas, dentre todos os idiomas, a procura pelo japonês, 9º idioma mais falando do mundo, aumentou consideravelmente. A busca pela língua oriental no Estado segue a tendência nacional.

De olho na indústria

Os manauaras estão vendo no Polo Industrial de Manaus (PIM), mais especificamente nas grandes multinacionais japonesas instaladas na Zona Franca de Manaus (ZFM), a esperança de garantir uma oportunidade no concorrido mercado industrial amazonense. Essas empresas buscam profissionais diferenciados e quem tenham domínio da língua oriental para realizarem a negociação com corporações internacionais.

Analista de recursos humanos de uma empresa instalada no PIM, Flávio Bessa explica que, além de se capacitar, o funcionário do alto escalão precisa conversar com os diretores, que - em alguns casos - falam o idioma nativo e tem pouco domínio do português. As empresas têm preferência, para alguns cargos de confiança específicos, por profissionais que falam japonês.

"No Polo Industrial de Manaus, muitas multinacionais japonesas estão instaladas e os diretores dessas empresas, geralmente, vem do Japão. Apesar de existir a figura do tradutor, nós damos prioridades para funcionários que, além de boa qualificação, falam japonês", disse Bessa.

O especialista ainda falou que o inglês também não deixa de ser visado pelos empregadores, tendo em vista que, além de tratar de assuntos profissionais com os diretores, o funcionário terá que falar com fornecedores, clientes e filiais de outros países.

"É extremamente importante as pessoas terem em mente que não é somente ter conhecimento de japonês, elas também precisam ter conhecimento do inglês. Esse é o idioma mais falado mundialmente. Conhecimentos técnicos e experiências na área de desejo contam do mesmo modo", concluiu.

Aprendendo o idioma

A assistente administrativa e tradutora da escola japonesa de Manaus, Rebeca Bastos, disse ao Em Tempo que, nos últimos meses, a procura pelo japonês tem aumentado significativamente na capital amazonense. Além dos descendestes de família japonesa, brasileiros também estão em busca da qualificação.

"Funcionamos como uma escola japonesa para as famílias que vêm do Japão para o Brasil, mais especificamente no Amazonas. Geralmente, essas pessoas estão vindo por que foram convidadas para trabalhar no Polo Industrial e a família precisa continuar o ensino para os filhos", explicou.

Oportunidade

O funcionário de uma empresa japonesa instalada no PIM e filho de um japonês com uma brasileira, Ricardo Tanaka, falou à reportagem que visitou o Japão por duas vezes, mas que antes dessa experiência, ele procurou aprender o idioma porque pretendia trabalhar, na época, em uma multinacional japonesa.

"Meu pai é japonês e, atualmente, fala bem português, mas quando criança era complicado se comunicar. Desde os 7 anos, eu aprendi algumas palavras em casa, mas foi somente depois de surgir uma proposta para trabalhar, junto com ele, que resolvi procurar um curso de japonês para me comunicar melhor", explicou. .

Amazonenses, mas amante da cultura japonesa, o analista de telecomunicações não passou na primeira seleção de emprego. Outro candidato sabia inglês e japonês, enquanto ele dominava apenas o inglês.

"Depois de passar por essa experiência nada agradável, de perder uma oportunidade boa de emprego, busquei uma boa escola de idiomas, com um preço justo, e resolvi investir na minha carreira", disse.

O profissional, após se qualificar, conseguiu uma vaga em outra empresa do Distrito Industrial e foi para o Japão mais de cinco vezes.

"Quando decidi me qualificar, corri em busca das oportunidades e consegui esse emprego, que atualmente me proporciona muitas coisas boas", finalizou.

No Brasil

Uma pesquisa realizada por uma escola de idiomas, especializada no ensino do japonês, mostrou que a procura pelo língua aumentou 10% no Brasil, a maior colônia japonesa fora do Japão. São 1,5 milhão de japoneses vivendo no país.

No mundo, 125 milhões de pessoas sabem ou possuem algum conhecimento do idioma, segundo o estudo. Ainda conforme o exame, um dos motivos para esse cenário é o consumo de produtos japoneses, como entretenimento, culinária e tecnologia.

Além disso, em áreas específicas, como o Amazonas, a procura se dá pela grande concentração de empresas japonesas no PIM. Outro motivo é a necessidade de estar mais próximo da cultura de algum familiar japonês, aponta a pesquisa.

Fique Informado