Notícias


Balança comercial reflete bom momento

Reportagem publicada pelo Jornal do Commercio

De janeiro a setembro deste ano, as importações e exportações no Amazonas registraram alta na comparação com 2016. No total foram US$ 6,405 bilhões importados no período, contra US$ 4,543 bilhões em igual intervalo do ano passado. A variação foi de 40%. Já as exportações nesse período tiveram variação de 8,82% no mesmo tipo de confronto. Em setembro, a importação faturou US$ 817,6 milhões e a exportação US$ 64,9 milhões. A China continua sendo a líder dos países importadores para o PIM (Polo Industrial do Manaus), com mais de US$ 2,3 bilhões comercializados nesses nove meses de 2017. Os dados são do Mdic (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços).

Segundo os dados da balança comercial, de janeiro a setembro as importações cresceram US$ 1,861 bilhão no Amazonas ou 40,9% no confronto com igual período do ano anterior. No total foram US$ 6,405 bilhões importados contra US$ 4,543 bilhões em 2016. No mesmo sentido, o Amazonas exportou US$ 478 milhões e teve variação positiva de 8,82% em relação a janeiro e setembro de 2016, quando fechou com US$ 439,2 milhões.

De acordo com o gerente-executivo do CIN-AM (Centro Internacional de Negócios do Amazonas) departamento da Fieam (Federação da Indústria do Estado do Amazonas), José Marcelo Lima, o aumento na balança comercial amazonense pode ser visto como sinal do reaquecimento das indústrias. "Com esses indicadores positivos começamos a enxergar uma luz no fim do túnel e a tendência é aumentar, mas é importante destacar que de forma tímida. Acredito que a partir do segundo trimestre de 2018, será mais significativo", afirmou.

Conforme o Mdic, em relação ao mês de setembro, as importações cresceram US$ 817,6 milhões com variação positiva de 34,8% no confronto com o mesmo mês de 2016, quando registrou US$ 606,1 milhões. Já na comparação com agosto, a variação teve queda de 5,21% ao fechar aquele mês com US$ 862,5 milhões importados. Na exportação, o Amazonas também fechou setembro com alta ao contabilizar US$ 64,9 milhões e variação de 29,2% em relação a setembro de 2016, com US$ 50,2 milhões. Na comparação com agosto, foram US$ 66,6 milhões comercializados, um recuo de 2,62%.

Lima diz que a alta de quase 35% das importações é reflexo dos pedidos feitos para a produção de fim de ano do setor industrial. Segundo ele, cerca de 80% dos produtos importados são destinados para o polo. "Esse crescimento é tendência porque hoje o PIM utiliza muita matéria-prima de outros países, principalmente o segmento de eletroeletrônico com componentes importados para atender sua linha de produção", frisou o gerente, destacando que os pedidos também impactam positivamente nas exportações do Estado.

Sobre as quedas no confronto com agosto, o gerente pediu cautela ao analisar o período. "Nem todos os pedidos feitos pelas empresas do PIM chegam no mesmo mês, acontece de ter atrasos por conta da logística e isso é contabilizado no mês seguinte", justificou.

Ranking dos países
A China continua sendo a líder dos países importadores para o pátio industrial, com US$ 2,301 bilhões em importações de janeiro a setembro deste ano. Um crescimento de 41,8% em relação ao mesmo período de 2016, quando fechou com US$ 1,623 bilhão. A segunda colocada é a Coreia do Sul com US$ 694,6 milhões vendidos ao PIM, número maior que do ano passado, onde atingiu as cifras de US$ 493,9 milhões. Um crescimento de 40,6%. Já o terceiro colocado foi os Estados Unidos, que teve alta de 36,9% no período, com US$ 624,2 milhões importados ao setor industrial de Manaus. Depois aparece o Vietnã com US$ 462,9 milhões contra US$ 276,2 milhões em 2016. Um crescimento de 67,6%.

Referente às exportações, a Argentina liderou o ranking com US$ 119,4 milhões exportados de janeiro a setembro. Alta de 35,2% em relação a 2016, quando fechou com apenas US$ 88,4 milhões. Em seguida vem a Colômbia com a cifra de US$ 109 milhões comercializados e variação de 40,5%. Os Estados Unidos também ocupam o terceiro lugar nas exportações e registrou alta de 29,2% no período, com US$ 33,1 milhões. Já o México fecha o grupo de quatro países com crescimento de 18,9% atingindo US$ 29,4 milhões contra US$ 24,7 milhões em 2016.

Principais produtos
Os números do Mdic mostram que partes para aparelhos receptores de rádio e televisão continuam ocupando o primeiro lugar na lista de produtos mais importados pelo Amazonas, tendo um crescimento de quase 70% e um total de US$ 1,355 bilhão importados de janeiro a setembro de 2017. Em seguida vem as partes de aparelhos de telefonia, que cresceram 31,8%, atingindo a cifra de US$ 449,9 milhões em importações no período. Os microprocessadores ocupam a terceira posição com US$ 304,5 milhões e um crescimento de 38,9%.

Ainda segundo a balança comercial, o produto mais exportado pelo Amazonas nesses nove meses foi a bebida concentrada. Mesmo com o indicador, o produto teve queda de 9,25% ao comercializar US$ 132,3 milhões, cifra menor que US$ 145,8 milhões no ano passado. O segundo colocado são as motocicletas com US$ 92,6 milhões, alta de 58,9% na comparação com igual período de 2016, quando fechou em US$ 58,2 milhões. Em terceiro aparecem as lâminas de barbear com alta de 23,5% no período, ao contabilizar US$ 26,3 milhões exportados do setor industrial de Manaus.

Fique Informado