Follow Up

As "ilegalidades" da Zona Franca de Manaus

Por Wilson Périco (*)

wilson.perico@technicolor.com

Acerta a reportagem do jornal O Globo, neste final de semana, sobre os incentivos fiscais da Zona Franca de Manaus, ao deduzir que "Depois de meio século, espera-se uma trajetória de sucesso sem os incentivos. Isso denota um limite desse modelo de incentivo à industrialização."e erramos todos nós, patrocinadores beneficiários da Zona Franca de Manaus, na medida em que, nas bodas de ouro da renúncia fiscal, não buscamos compreender e fazer valer os expedientes constitucionais que lhe dão legalidade e emparam seus acertos e deslizes.

São muitos os acertos - basta imaginar os três milhões de empregos gerados em todo território nacional, a arrecadação que a União daí recolhe, e a proteção de mais de 95% do patrimônio florestal. Somos, ademais, dianteira da agregação de valor à indústria de transformação. As empresas da ZFM que produzem, com qualidade e preços adequado, a multiplicidade dos itens que atendem a família e repartições públicas e privadas de todo o Brasil, substituem os produtos importados, e, sem incentivos, não estariam necessariamente presentes no país. E importação maior, todos sabem, significa desequilíbrio na fiscal.

Temos recorrido, pontualmente, à Suprema Corte, com recorrente sucesso. Os descumprimentos estruturais dos preceitos legais estruturais, porém, são uma tarefa de toda a sociedade que é alcançada por esse conjunto de ilegalidades. Isso cabe, principalmente, à representação política da região, governadores e parlamentares, com os quais empresários e trabalhadores certamente se uniram. A Suframa, a duras penas, recobra sua autonomia e as condições de executar o que a Lei lhe confere.

Lutamos, juntos, com adesão do Estado, contra os embargos de gaveta, dos técnicos da burocracia federal, que brecam licenciamento de PPB, o processo produtivo básico que estabelece as regras de produção na ZFM. Pela Lei ordinária 8.387, de 1991, essa liberação não pode ultrapassar mais de 120 dias e, pela Constituição apenas cinco variedades não podem receber incentivos da ZFM: armas e munições, perfumes, fumo, bebidas alcóolicas e automóveis de passeio. Esses embargos, por sua vez, acabam favorecendo a concentração fabril que comprometeu o equilíbrio atmosférico de São Paulo, onde funciona 30% do parque industrial, contra apenas 0,6% do polo industrial de Manaus.

A saída para esses impasses é simples: que se cumpra o marco legal da ZFM, reconhecida pelo COngresso Nacional em 2014, como sinal de concordância com seus acertos. A autonomia virá se os recursos da Suframa e de P&D - mais de R$ 6 bilhões nos últimos 10 anos - forem legalmente aplicados na região. Esses recursos permitiriam que aqui se fizesse uma revolução em tecnologia da comunicação e informação, nanobiotecnologia e economia do lazer, para seguirmos, a nosso modo, devolvendo com generosidade a renúncia fiscal que lhe dá suporte a economia e bioeconomia regional de baixo carbono, incluindo turismo acessível - no exercício constitucional do direito de ir e vir por estrada, com a recuperação da BR 319, boicotada pela ilegalidade atávica do descaso federal.

*Wilson Périco é economista, presidente do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIeam) e vice-presidente da Technicolor para a América Latina

==============================================================================

Esta Coluna é publicada às quartas, quintas e sextas-feiras, de responsabilidade do CIEAM. Editor responsável: Alfredo MR Lopes. cieam@cieam.com.br

Publicado no Jornal do Commercio do dia 09.03.2017



Fique Informado